Resenha: Banda Gentileza – Nem Vamos Tocar Nesse Assunto

Resenha: Banda Gentileza - Nem Vamos Tocar Nesse Assunto

Fiquei pensando sobre o que falaria nesse meu primeiro texto aqui no Jardim. Revisitei algumas músicas até “Eu Sempre Quis”, da Banda Gentileza, começou a tocar em uma playlist e pronto: tinha encontrado meu assunto. Afinal, o disco dos curitibanos, Nem Vamos Tocar Nesse Assunto, é um dos trabalhos mais interessantes e divertidos lançados esse ano.

Logo nos primeiros trechos do álbum, a banda já mostra que mesmo após 5 anos depois, a acidez e o bom humor (felizmente) seguem sendo um dos trunfos do vocalista e compositor Heitor Humberto. “Eu sempre quis tomar um pé na bunda e na mais profunda depressão escrever um lindo disco, triste e visceral” é uma tirassão de sarro dele com ele mesmo.

As letras irreverentes são acompanhados de um instrumental com diversas referências, misturas e experimentações. Apesar de mais limpo e coeso do que seu antecessor, “Nem Vamos Tocar Nesse Assunto traz aquela sonoridade criativa e “esquisitinha” que faz da Gentileza uma banda surpreendente e única dentro da música brasileira.

Com coros, riffs distorcidos e interpretações quase teatrais, a banda que surgiu de uma brincadeira despretensiosa foi apresentando aos poucos o novo disco com as músicas “Espiões”, “Por Onde Anda” e “Casa”, que ganhou um ótimo videoclipe roteirizado pelos integrantes em parceria com diretor Max Leean.

Os singles mencionados acima formam o conjunto de destaques do álbum e chamam a atenção logo no primeito contato com o disco. O que não faz com que faixas como a agressiva “Chorume” e romântica “Tudo Teu” percam seu lugar ao Sol. Aliás, não deixaria de destacar nenhuma delas para um primeiro ouvinte desse novo trabalho. Escolha suas preferidas.

Share Button

Também é colaborador do Showlivre, trabalhou como assessor de imprensa de artistas, bandas e casas de show. Movido a boa música, café quente e cerveja gelada, segue na busca de novos sons para descobrir e clássicos para recordar.